Você não pode visualizar esta videoaula porque ainda não está logado.

0 comentários em “CO1013 – Índice Inflamatório da Dieta, Magnésio e Zinco

  1. bom dia!!! qual a sua orientação sobre o cloreto de magnesio vendido em farmacias e em lojas de produtos naturais?????

    • Olá Juliana,

      Veja o texto elaborado pela Dra Ana Paula do magnésio:

      O magnésio é o quarto mineral mais abundante no corpo. Ele já foi reconhecido como um cofator de mais de 300 reações enzimáticas, sendo crucial para o metabolismo da adenosina trifosfato (ATP), síntese de DNA e RNA, replicação e síntese proteica. Além disso, é essencial para a regulação da contração muscular, pressão arterial, metabolismo da insulina, excitabilidade cardíaca, transmissão nervosa, condução neuromuscular, modulação da inflamação e qualidade do sono.
      Estudos epidemiológicos na Europa e América do Norte têm mostrado que pessoas que consomem dietas do tipo ocidental são deficientes em magnésio, e consomem somente de 10 a 50% da necessidade diária ( que varia entre 240 a 420 mg, dependendo do sexo e idade), provavelmente resultado do uso crescente de fertilizantes e alimentos ultra processados.
      A deficiência de magnésio pode resultar em desordens neuromusculares, cardíacas ou nervosas. Por outro lado, vários estudos associam o magnésio com o tratamento de doenças como: diabetes, hipertensão, enxaqueca, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), doença de Alzheimer, asma, síndrome pré-menstrual, fibromialgia, dismenorreia, pré-eclâmpsia, arritmias, insuficiência cardíaca, entre outras desordens.
      Vamos para a prática!
      Como avaliar a deficiência de magnésio no consultório?
      O teste mais comum e para a avaliação rápida de alterações no estado de magnésio é a concentração sérica de magnésio, embora os níveis séricos tenham pouca correlação com os níveis de magnésio total do corpo ou concentrações em tecidos específicos, pois a maioria do magnésio está no meio intracelular ou nos ossos e, apenas 0,3% do magnésio total do corpo é encontrado no soro. O limite de referência inferior apropriado da concentração sérica de magnésio deve ser 0,85 mmol / L, especialmente para pacientes com diabetes.
      A avaliação clínica dos sintomas de déficit de magnésio são necessárias. Os primeiros sinais de deficiência de magnésio não são específicos e incluem perda de apetite, ansiedade, dormência, letargia, náuseas, vômitos, fadiga e fraqueza, Dores de cabeça e tensão mandibular.
      Onde encontrar o magnésio na alimentação?
      O consumo de água é responsável por média 10% da ingestão diária de magnésio. A clorofila (e, portanto, verduras escuras como o espinafre) é a principal fonte de magnésio.
      Nozes, sementes e cereais íntegros (não processados) também são ricos em magnésio. Alguns tipos de processamento de alimentos, como o refinamento de grãos em formas que removem o germe rico em nutrientes e farelo, reduzindo consideravelmente o teor de magnésio no alimento. Leguminosas, frutas, peixe e carne têm uma concentração intermediária de magnésio.

      Como suplementar o magnésio?
      Dose: 4 a 6 mg/kg de peso corporal
      Forma biodisponível: sais de magnésio ligados orgânicos, tais como citrato, gluconato ou aspartato de magnésio.
      A absorção intestinal não é diretamente proporcional à ingestão de magnésio, mas depende principalmente do nível de magnésio no corpo. Quanto menor o nível de magnésio, mais o mineral é absorvido no intestino, assim a absorção relativa de magnésio é alta quando a ingestão é baixa e vice-versa.
      Combina com: cálcio, vitamina D e manganês
      Efeitos adversos: A suplementação de magnésio é bem tolerada, mas pode causar sintomas gastrointestinais, incluindo diarréia, náuseas e vômitos.
      Texto elaborado por: Dra. Ana Paula Pujol
      Referências consultadas:
      Gröber, Uwe, Joachim Schmidt, and Klaus Kisters. “Magnesium in prevention and therapy.” Nutrients 7.9 (2015): 8199-8226. Disponível em: http://www.mdpi.com/2072-6643/7/9/5388/htm
      UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE (USDA). Nutrient data laboratory. Disponivel em .

      Att,
      Gabriela

Deixe uma resposta