Você não pode visualizar esta videoaula porque ainda não está logado.

14 comentários em “PC1004 – Interpretação de Exames Laboratoriais e Prescrição de Nutracêuticos na Síndrome Metabólica

  1. Sou cliente IAPP+ e gostaria que me incluíssem no grupo do Whats.

  2. Bom dia Professora, qual melhor horário pra consumir caps de ômega 3 e porque obrigada

    • Olá Andreia,
      A indicação pode variar de acordo com o objetivo, mas, em geral, sugere-se prescrever 30 minutos antes do almoço ou no jantar ou associando com a sua refeição, por ser considerado um complemento alimentar. E, também, para evitar a eructação com gosto de peixe quando o óleo não estiver veiculado em cápsulas de revestimento entérico.

      Att,
      Gabriela

  3. Por favor, teria como me adicionar NO GRUPO DE WATSAPP do IApp?
    84 – 99142 2678

  4. Boa tarde, falei no grupo de whatsapp e a Priscila falou que era mais fácil pedir por aqui por já estar dentro do assunto. Gostaria de saber se teria a possibilidade de disponibilzar os esquemas que aparecem durante a explicação do caso (Como slides). Tem o esquema da AMPk, disbiose, do fígado e outros…

    Obrigada.

  5. Boa noite!

    Uma dúvida: na prescrição do Õmega 3 você falou que o ideal é o consumo mínimo de 750mg da soma de EPA e do DHA por dia. Essa seria a prescrição pra esse caso específico ou pra qualquer prescrição?

    Obrigada

    • Olá Carol,

      Irá depender do objetivo.
      Por exemplo, na gestação, a suplementação é com mais quantidades de DHA. A acumulação do DHA começa no útero, e passa da mãe para o feto através da placenta, por um transporte ativo mediado por proteínas transportadoras. A concentração no feto de DHA é determinada pela alimentação da mãe, dado que o organismo fetal não é eficiente na conversão do ALA em DHA.
      EPA + DHA são interessantes para processos inflamatórios. A ingestão do ω3 introduz o EPA nos fosfolipídios das membranas inibindo o metabolismo do ácido araquidônico por competição pelas mesmas vias enzimáticas (COX e 5-LOX), promovendo a formação de leucotrienos e prostaglandinas da série impar, sendo estas substancias menos inflamatórias.

      O DHA não é um substrato para as enzimas COX e LOX, mas inibe a síntese de ácido graxo ω6 diminuindo a liberação de ácido araquidônico da membrana, promovendo uma ação anti-inflamatória.

      A recomendação de ω3 é 1,6 e 1,1 g por dia, para homens e mulheres respectivamente. E dependendo do objetivo poderá ter maiores doses de EPA ou de DHA.

      A American Heart Association recomenda 1g por dia de EPA e DHA para pessoas com doença cardiovascular.

      Entre os diversos estudos epidemiológicos o ω3 tem sido apontado como benéfico para reduzir ações inflamatórias relacionadas a doenças crônicas, como aterosclerose, associada com diabetes, obesidade e inflamações crônicas. Nestes casos é interessante que o suplemento tenha no mínimo 900mg da soma de EPA + DHA.

      A dieta rica em gorduras poli-insaturadas e monoinsaturadas, principalmente rica em ω3 são anti-inflamatórias e podem reduzir os triglicérides séricos, melhorar a função plaquetária promover redução da pressão arterial em pacientes hipertensos, prevenção de doenças cardíacas, artrite reumatoide e diabetes tipo 2.

      Att,
      Gabriela

  6. Bom dia!

    Uma dúvida:
    Qual mesmo a dose de Vitamina D3 nós nutricionistas podemos prescrever?
    Vi na sua prescrição 1000 UI. Pensei que fosse 800UI.

    Obrigada!

  7. Olá, Dra Ana Paula!
    Simplesmente abordou meu caso clínico.. hehehheh
    Estou com um paciente de 52 anos cuja queixa é melhorar a alimentação para reduzi ferritina. O médico que viu essa alteração no exame ( cerca de 420 ng/ml de ferritina), ano passado, o encaminhou para o hematologista que sugeriu uma sangria ou doação de sangue, e reduzir ferro da alimentação. Por ele ser hipertenso não conseguiu fazer a doação, então ele optou por reduzi por conta própria o ferro da dieta e conseguiu baixar a ferritina para 303 (exame feito em fevereiro de 2018). Com a melhora no exame ele se desleixou na alimentação, de acordo com o inquérito alimentar, nota-se o consumo excessivo de gorduras (principalmente de queijos- consome no mínimo 2 vezes/ dia todos os dias) e compulsão por doces ( 2 sobremesas/ dia incluindo doces de leite, mousses e chocolates, rapadura). No exame realizado semana passada a ferritina subiu para 359. Ele apresenta circunferência aumentada, é ativo- faz musculação e caminhada no final de semana, e faz ingestão de bebida alcoólica ( 1 garrafa de vinho seco/ 4 garrafas de cerveja) aos finais de semana . Na bioimpedância , deu uma alteração significativa na gordura visceral, porém , nos exames realizados, em fevereiro, não apresentaram praticamente alterações. Ureia 33mg/dL/ HDL 52 mg/dL/ CT 154 mg/ dL/ T3 livre 3pg/ml/ LDL 88 mg/dL/ PCR 1,5/ Ácido úrico 3,4mg/dL/ ferritina 303ng/mL/ glicose 82mg/dL/ T4livre 1,1 ng/dL/ TGO 34 U/I / TGP 26 U/I / Triglicerideos 70 mg/ dL / Hemoglobina 12g/dL / hematócrito 37,5%.
    Ao assistir o vídeo, me veio a dúvida se realmente a conduta adequada seria a restrição de ferro da alimentação e se a causa já não seria de uma possível alteração hepática. Apesar dos exames serem recentes ( menos de 3 meses) , posso solicitar os exames novamente ? Já pode ser notado alterações nesse espaço de tempo?
    Peço sua orientação.

    Agradeço desde já

    • Olá Diandra,

      Sim. A mudança do estilo de vida, redução de peso, alimentação e exercício físico são essenciais para o tratamento efetivo. Outra sugestão é uma dieta nde destoxificação.

      ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS
      1. Ajuste nutricional para a redução de peso corporal;
      2. Redução moderada do teor de carboidratos (30 a 40% do VET);
      3. Aumento de gorduras monoinsaturadas;
      4. Redução de gorduras saturadas;
      5. Aumento do consumo de fontes de polifenois: chás, frutas e verduras;
      6. Aumento do consumo de fibras;
      7. Redução do consumo de alimentos refinados e ultraprocessados;
      8. Redução do consumo de açúcar e doces em geral;
      9. Suplementos e Fitoterápicos.

      Exemplo de formulação:

      Formulação Hepatoprotetora
      Componente da fórmula:
      Indol-3-Carbinol – 100 mg
      Aviar X doses em cápsulas qsp.
      Posologia: Consumir 1 dose, 1 a 2 vezes ao dia, após as refeições.
      Associar com:
      Fórmula fitoterápica:
      Carduus marianus, Cardo Mariano, extrato padronizado a 80% de silimarina – 500 mg
      Curcuma longa, Cúrcuma Longa, extrato seco padronizado a no mínimo de 95 % de curcuminoides – 200 mg
      Zingiber officinalis, Gengibre, extrato seco padronizado a 5% de gingerols, raiz – 200 mg
      Aviar X doses em cápsulas qsp.
      Posologia: Consumir 1 dose, 1 a 2 vezes ao dia, após as refeições.

      Att,
      Gabriela

Deixe uma resposta