Você não pode visualizar esta videoaula porque ainda não está logado.

17 comentários em “PC1017 – Como estruturar um plano alimentar flexível

  1. Ana Paula, queria te contar um caso clínico.
    Tenho 1 paciente que precisa perder peso, ele tem conhecimento dos alimentos, pois sua profissão é Personal, porém gosta muito de bebidas alcoolicas, quando fiz o plano alimentar dele sugeri não beber, porém assim fez, mais não seguiu completamente por um mês, isso já se foram 4 meses, como ele não seguiu a dieta por 30 dias ainda não mudei o plano, pois quando ele retorna a dieta ele volta a usar o mesmo cardápio alimentar prescrito, Nesse caso como você falou que o paciente não consegue ficar fazendo a dieta por muito tempo porque não tem adesão ao tratamento. O que você me sugere nesse caso, ele não seguiu completamente?

    • Olá Carla,

      Segue sua resposta:

      A sugestão é mudar de estratégia.

      Veja o texto elaborada pela Profa. Ana Paula Pujol:

      Já atendi pacientes em que o momento de vida não era compatível a uma adesão ao plano alimentar. Outros, em que há tantas mudanças necessárias, que pequenos ajustes já farão uma diferença enorme. Então, opto em um primeiro momento por trabalhar com ajustes alimentares e metas. Um paciente com uma vida extremamente atribulada, por exemplo, não dará conta de seguir um plano em que os alimentos precisarão ser pesados, em que terá que tomar chás diferentes 3 vezes por dia, em que não gosta e não tem tempo de cozinhar. Muitas vezes menos é mais! E a cada consulta seguimos com progresso!

      Quando não consigo entregar o Plano Alimentar no momento da consulta, sugiro metas para o próximo encontro e então, agendo outro horário para a finalização do plano pré elaborado, juntamente com o paciente, pois acredito que a conduta não deva ser ditada e o paciente deve ter uma atitude colaborativa na elaboração do Plano.

      Grande Abraço!
      Ana Paula Pujol

  2. Poderia exemplificar outros tipos de metas?

    att,

    • Oi Lusiana,

      Segue dicas:

      Meta 1: perder 10% do peso inicial em 30 dias fazendo pequenas trocas alimentares mais saudáveis.

      1. Comece com expectativas realistas
      Comer uma dieta nutritiva tem muitos benefícios, incluindo a perda de peso potencial. No entanto, é importante definir expectativas realistas.
      Pesquisadores descobriram que pessoas obesas que esperavam perder muito peso eram mais propensas a abandonar um programa de perda de peso dentro de 6 a 12 meses.
      Veja o estudo:
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16339128
      Ter expectativas realistas aumenta as chances do paciente manter comportamentos saudáveis ​​no estilo de vida.

      Meta 2: Fazer lista dos motivos específicos pelos quais o paciente deseja se tornar mais saudável ou perder peso.
      Motivação do paciente
      Ver com o paciente o que o motiva. Pode ser útil fazer uma lista dos motivos específicos pelos quais o paciente deseja se tornar mais saudável ou perder peso.Quando ele é tentado a entrar em comportamentos compulsivos você pode ajudá-lo a permanecer no caminho certo.

      Por outro lado, estabelecer um objetivo mais realista e viável pode evitar que você desanime e pode até levar a uma maior perda de peso.

      Meta 3: retirar alimentos que não fazem parte do plano alimentar de casa, se possível.
      3. Orientar a manter alimentos não saudáveis ​​fora da casa
      É muito difícil comer saudável se você está sempre cercado por comidas “tentadoras”.
      Se outros membros da família quiserem manter esses alimentos ao redor, pelo menos mantenha-os longe dos olhos do paciente.
      Ter comida exposta em várias áreas da casa tem sido associada à obesidade e ao aumento do consumo de alimentos não saudáveis.
      Veja os estudos:
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16418755
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25916909
      Manter alimentos não saudáveis ​​fora de casa, ou pelo menos fora de vista, pode aumentar suas chances de permanecer no caminho certo.

      4. Cuidado com a abordagem “Tudo ou Nada”
      Algumas escolhas fora do plano fazem pouca diferença a longo prazo, desde que o paciente saiba equilibar com alimentos saudáveis.

      5. Meta: Carregar lanches saudáveis começando 3 vezes na semana e evoluir.

      Aderir a uma dieta saudável pode ser difícil quando a pessoa está longe de casa por longos períodos de tempo.

      Quando algumas pessoas ficam com muita fome, acabam por escolher alimentos mais calóricos.

      Ter lanches saudáveis ​​com alto teor de proteína na mão pode ajudar a manter o apetite até a próxima refeição completa.
      Veja o estudo:
      https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25266206

      Att,
      Gabriela

  3. PARABENS, EXCELENTE. ESTOU AMANDO

  4. Boa Tarde,
    Excelente curso, como todos!!
    Vocês teriam alguma material para indicar sobre atendimento de crianças e adolescentes??
    Obrigada,

  5. Olá, tenho uma dúvida e queria uma sugestão. Vou iniciar o atendimento nutricional para colaboradores de uma industria. O atendimento ocorrerá 1 dia da semana por 30 minutos por colaborador. É um tempo curto para perguntarmos tudo que precisamos, fazer a avaliação física e clínica, criar um plano alimentar e orientar. Então pensei em trabalhar com metas ou com o plano de Orientação nutricional para combinações de alimentos nas refeições (sugestões de alimentos e tamanho da porção). Há necessidade de calcular o plano nesse caso? Vai ter poucos casos que será necessário calcular um plano fechado.

    • Olá,

      Não há necessidade, uma vez que está trabalhando com grande grupo de pessoas.
      Depois de realizar todos os atendimentos e observar a alimentação no geral, e de ter dado orientações específicas para cada pessoa, a sugestão é fazer uma palestra com o que chamou mais atenção na alimentação da maioria das pessoas do grupo.Trocas inteligentes que podem ser feitas na hora da refeição. Como ter disciplina na elaboração das refeições, além de outros tópicos que julgar relevante.

      Att,
      Gabriela

  6. Boa noite.
    Aula perfeita, como todas são!!!
    Gostaria de saber a opinião de vcs na prática clínica, a respeito do tempo total de atendimento. Apenas uma troca de condutas para nortear, no que diz respeito a consultório.
    Eu sei que isso é relativo, já que cada paciente é único, mas uma média de tempo para fazer a anamnese completa (ouvir tudo o que o pcte tem a dizer), antropometria, prescrever o plano alimentar personalizado, fitoterápicos e suplementos, se necessário, seria de mais ou menos qto tempo, 1 h e 30 minutos, 2 horas???

    • Olá Célia,
      A média de tempo é de 1h30min a 2h30min, dependendo de como procede a consulta.

      Veja o texto da Dra Ana Paula:

      Você entrega a dieta na hora?

      Atualmente, muitos colegas questionam se eu entrego a dieta para o meu paciente na hora.
      E a minha resposta é: Sempre que possível!

      Afinal, levar trabalho do consultório para casa ou procrastinar atividades não é legal para uma vida organizada e produtiva.

      Porém, há situações em que não consigo entregar a dieta na primeira consulta, entre elas:

      1) Quando não há tempo hábil
      Alguns pacientes realmente gostam de falar, seja questionando, relatando ou até mesmo desabafando. Muitas vezes, não acompanham a sistemática e linha de raciocínio que seguimos em uma consulta. Por exemplo, quando estou questionando sobre os medicamentos administrados e o paciente já está relatando o consumo alimentar. Particularmente, considero TUDO o que o paciente fala IMPORTANTE. Não costumo interrompe-lo. Acredito que na minha frente está um ser humano que tem o direito de ser ouvido com toda empatia. Por muitas vezes, é no discurso do paciente, nas entrelinhas, que conseguimos “captar” situações como ansiedade, compulsão alimentar, barreiras para o emagrecimento, pensamentos sabotadores, dificuldades encontradas em outros programas de emagrecimento, entre outro.

      2) Quando o caso requer estudo
      Busco oferecer sempre o que há de melhor para o paciente! E, em algumas situações, reconheço que durante a consulta não poderei fazer o meu melhor, por falta de conhecimento (eu não sei tudo). Já atendi pacientes que chegaram com exames genéticos complexos nunca antes por mim analisados ou quadros extremamente complexos que requerem muito raciocínio e tempo para elaboração do Plano.

      3) Quando não estou disposta
      Os pacientes estão agendados e não escolhem o seu melhor dia para serem atendidos. Nutricionista também tem TPM, pode não ter tido uma boa noite de sono ou estar cansada demais (principalmente nas últimas consultas do dia)

      4) Quando percebo que o paciente não está preparado para iniciar um Plano Alimentar cuidadosamente Calculado
      Já atendi pacientes em que o momento de vida não era compatível a uma adesão ao plano alimentar. Outros, em que há tantas mudanças necessárias, que pequenos ajustes já farão uma diferença enorme. Então, opto em um primeiro momento por trabalhar com ajustes alimentares e metas. Um paciente com uma vida extremamente atribulada, por exemplo, não dará conta de seguir um plano em que os alimentos precisarão ser pesados, em que terá que tomar chás diferentes 3 vezes por dia, em que não gosta e não tem tempo de cozinhar. Muitas vezes menos é mais! E a cada consulta seguimos com progresso!

      Quando não consigo entregar o Plano Alimentar no momento da consulta, sugiro metas para o próximo encontro e então, agendo outro horário para a finalização do plano pré elaborado, juntamente com o paciente, pois acredito que a conduta não deva ser ditada e o paciente deve ter uma atitude colaborativa na elaboração do Plano.

      Apesar de perceber o paciente feliz por sair com o Plano Alimentar pronto da primeira consulta, sinceramente, acredito que postergar a entrega da dieta, quando necessário não é sinal de procrastinação profissional ou falta de conhecimento, mas muitas vezes é sinal de respeito e cuidado com o paciente.

      Grande Abraço!
      Ana Paula Pujol

      Att,
      Gabriela

  7. Fiquei com uma dúvida! você registra o que o paciente relata que come atualmente? ou já vai elaborando o plano enquanto ele está contando o que come?

    • Olá Mayara,

      Na consulta são registrados os alimentos consumidos (anamnese alimentar) e o Plano Alimentar é desenvolvido com base na alimentação do paciente, ou seja, são feitas adaptações mais saudáveis ou trocas inteligentes ;).

      Att,
      Gabriela

  8. Aula Maravilhosa!! perfeita! exatamente o que eu precisava pra dar mais uma renovada nos cardápios! até hoje, os mais simples que montei, foram os que surtiram mais efeito! Gosto muito de trabalhar também cardápios semanais, que monto em excel para ajudar o paciente a variar os alimentos da dieta, pois a maioria fica nas mesmas opções!

  9. Boa tarde.
    Achei interessante sobre as classificações dos níveis do paciente que ela falou.
    Poderia descrever as características dos outros níveis??

    • Olá Laila,

      Segue sua resposta:

      Os níveis dos pacientes são classificados de acordo com o conhecimento que a pessoa possui sobre a alimentação saudável, nutrientes e como esses podem auxiliar na saúde, além de qual dieta já fizeram, como é o relacionamento com a alimentação e quão estão dispostos a mudar os hábitos e ter disciplina.

      Não há características descritas e, sim, a percepção de cada profissional de acordo com cada paciente.
      Exemplo, são classificados nível 1 os pacientes que não foram ao nutricionista e possuem pouco conhecimento sobre alimentos e nutrientes;
      Nível 2 aquele que já conhece um pouco mais sobre alimentação, porém não segue nenhum Plano Alimentar ainda.
      Nível 3 aquele que quer modificar os hábitos, conhece sobre alimentação saudável, porém ainda não consegue seguir um Plano Alimentar.
      E 4,5 aqueles que já conhecem nutrientes, macronutrientes, já seguiram Planos Alimentares, mas buscam mais qualidade na alimentação ou então algum objetivo específico como competir, mais definição muscular, além de outros.

      Att,
      Gabriela

  10. Curso maravilhoso, didático e super completo.
    Gostaria de tirar apenas mais uma dúvida sobre a entrega do plano alimentar do paciente, você recomenda não enviar por e-mail, normalmente você entrega o plano no momento da consulta ? ou qual o prazo você dá para entregar pessoalmente o plano? ele conta como um retorno ?
    Desde já obrigada!

    • Olá Jeyce,

      O Plano Alimentar é entregue na hora na consulta, somente orientações são feitas por e-mail.
      O Plano é entregue na primeira consulta ou, caso haja necessidade, é entregue ao paciente pessoalmente 1 dia após.

      Abraços!

  11. vi que tem bastante derivados do leite nos cardápios, uma pessoa que tem intolerancia a lactose consegue fazer consumo de keffir? no plano alimentar flexivel tem que pode fazer uma receita como opção, não encontrei as receitas no material.

    • Olá Natielli,
      Dependendo do grau da intolerância da pessoa ela consegue sim fazer o consumo de kefir.
      As receitas estão disponíveis no Material Extra (IAPP+). Você tem acesso?

      Att,
      Gabriela

Deixe uma resposta