Você não pode visualizar esta videoaula porque ainda não está logado.

0 comentários em “CO1025 – Distribuição de macronutrientes na Low Carb

  1. Olá!
    *Gostaria de saber sobre a melhor dosagem de ômega3. A recomendação de 3g dia considera quanto de EPA e quanto de DHA? Costumo utilizar 1g de DHA ao dia, visando melhora da cognição. Porém, como há no mercado várias concentrações relacionadas á EPA e DHA, gostaria de indicações e doses. Quanto seria suficiente de EPA para melhorar perfil lipidico? Se possível também doses para adolescentes (e se esses também poderiam fazer uso contínuo).
    * Sobre chá verde e cúrcuma: qual tempo de uso? Mesmo paciente apresentando melhoras no tratamento, devo retirar com 3 meses de uso ou poderia fazer por período mais prolongado? Caso haja necessidade de retirar após 3 meses, Poderia sugerir outros fitoterápicos com mesmo mecanismo de ação?
    * Paciente sadio que começou a apresentar alteração de colesterol com inclusão de ovos no café da manhã e um pouco mais proteínas na dieta (menos que 2g/Kg). Qual sugestão? O uso de ômega 3 para este paciente pode ser mantido?
    * Paciente que apresenta taquicardia em refeição matinal caso faça inclusão de carboidratos. Gostaria de saber melhor sobre essa reação.
    Grata

    • Olá Aline,

      *Gostaria de saber sobre a melhor dosagem de ômega3. A recomendação de 3g dia considera quanto de EPA e quanto de DHA?
      Sim. A sugestão é que tenha no mínimo 900mg da soma de EPA + DHA.
      A Associação Americana de Saúde (AHA) recomenda uma ingestão diária de 0,5 a 1 g de EPA e DHA.
      Miller M. et al., 2011, “Triglycerides and Cardiovascular Disease: A scientific statement for the American Heart Association”; Circulation DOI: 10.1161.

      Costumo utilizar 1g de DHA ao dia, visando melhora da cognição. Porém, como há no mercado várias concentrações relacionadas á EPA e DHA, gostaria de indicações e doses.

      As doses recomendadas de suplementação de DHA são muito variáveis entre os estudos, sendo sugeridoas doses de 500mg de DHA + 150mg de EPA; 600mg de DHA + 140mg de EPA, 1,1g de DHA.

      Quanto seria suficiente de EPA para melhorar perfil lipidico? Se possível também doses para adolescentes (e se esses também poderiam fazer uso contínuo).

      Uma pesquisa de Meyer et al descobriu que, no intervalo de três meses, uma complementação com óleo de peixe rico em DHA (2,16 g de DHA/dia) pode melhorar os níveis de lipídios plasmáticos, dependendo da dose, em pacientes que tomam estatinas.
      Meyer BJ, Hammervold T, Rustan AC, Howe PR. Dose-dependent effects of docosahexaenoic acid supplementation on blood lipids in statin-treated hyperlipidaemic subjects. Lipids. 2007 Mar;42(2):109-15.

      Estudos que avaliaram o efeito do EPA e DHA sobre o perfi l lipídico demonstraram, de modo geral, redução das VLDL ( lipoproteínas
      de densidade muito baixa) e da trigliceridemia (CASTRO et al., 2005). O metabolismo lipídico e lipoproteico altera-se de forma significativa com
      o consumo regular de pescado e suplementação nutricional com ácido graxo ômega-3, sendo que doses de ácidos graxos ômega 3 inferiores a 2g/
      dia são suficientes para produzirem tais efeitos.
      CASTRO, I.A.; BARROSO, L.P.; SINNECKER, P. Functional foods for coronary heart disease risk reduction: a metaanalysis using a mulivariate approach. Am.J Clin Nutr, v.82, n. 1, p. 32-40, 2005.

      Adolescentes:
      As recomendações dietéticas de organismos internacionais para ômega-3 (principalmente EPA e DHA) variam de 40 mg a 250 mg/dia para lactentes com mais de 6 meses, para crianças e adolescentes. Pode ser de uso contínuo dependendo da avaliação de cada paciente.

      * Sobre chá verde e cúrcuma: qual tempo de uso? Mesmo paciente apresentando melhoras no tratamento, devo retirar com 3 meses de uso ou poderia fazer por período mais prolongado? Caso haja necessidade de retirar após 3 meses, Poderia sugerir outros fitoterápicos com mesmo mecanismo de ação?
      No geral de 3 a 6 meses.

      Outras sugestões:
      gengibre fresco (Zingiber officinale)
      chá verde (Camellia sinensis)

      * Paciente sadio que começou a apresentar alteração de colesterol com inclusão de ovos no café da manhã e um pouco mais proteínas na dieta (menos que 2g/Kg). Qual sugestão? Diminuir produtos lácteos e carne vermelha. Outra sugestão é rever os exames antes e depois. QUanto foi essa alteração? Ele está no limite ou a alteração foi bem significativa? Como está o consumo alimentar dele?
      O uso de ômega 3 para este paciente pode ser mantido? Sim.

      Att,
      Gabriela

  2. Boa tarde!
    Gostaria de saber se o whey protein que você se
    refere é o isolado ou o concentrado, já que no concentrado
    o carboidrato também está presente.

    Obrigada!

  3. Esse Blend de proteínas vegetais indicado qual seria a melhor opção? Que tipo de proteínas podem ser utilizadas neste caso?

  4. Tenho algumas dúvidas em relação ao cardápio apresentado no curso:
    1- Por que a sugestão de atum em água e sal e não em óleo?
    2 – Qual seria o objetivo do uso da Spirulina nesta paciente no pré-treino?
    3 – Segundo o cardápio apresentado no slide, haveriam duas refeições como sugestão no pós-treino? O jantar ou a proteína vegetal? E nos dias sem treino, qual seria a sugestão?

    Obrigada!

    • Olá Camila,

      Neste caso a opção de atum em água é para reduzir o valor calórico da refeição.
      A espirulina pode ser utilizada 3 vezes ao dia antes das principais refeições. Atua como supressor do apetite, revestindo as paredes do estômago e promovendo sensação de plenitude gástrica e saciedade, auxiliando no processo de emagrecimento.
      Nos dias sem treino a sugestão seria um jantar com uma fonte proteica e carboidratos de baixo índice glicemico (exemplo: frango com salada verde e de tomate, omelete com legumes, bife acebolado com refogado de abobrinha e berinjela + folhas verdes).

      Att,
      Gabriela

  5. ola tudo bem?
    Vi que dentre os produtos lácteos o iogurte é o que tem menor resposta glicêmica. E quanto ao kefir? seria uma boa indicação?

    • Olá Jaqueline,
      Sim. Pode ser utilizado e é uma ótima fonte de probióticos. Preparações a base de kefir são alternativas e podem ser utilizadas devido a suas funcionalidades.
      O kefir é uma bebida fermentada feita a partir de fungos benignos e culturas de bactérias e lactobacilos como, por exemplo, Lactobacillus bulgaricus, Streptococcu thermophilus, Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei.
      Deve-se, também, cuidar a procedência do kefir para que o mesmo não esteja contaminado.
      Att,
      Gabriela

  6. Bom dia,

    1) Gostaria de saber sobre a tabela de Fator de Atividade que vocês referem no manual de passo a passo na estratégia low carb (para o cálculo da NET)

    2) Pacientes acima de 60 anos, como calcular a TMR, uma vez que, a equação de Henri & Rees vai até 60 anos?

    Obrigada,

    • Olá Camila,

      1)
      Categoria de trabalho Múltiplo das TMB/ dia
      Homens Mulheres
      Leve 1,55 1,56
      Moderado 1,78 1,64
      Pesado 2,10 1,82
      Fonte: Adaptado de FAO/OMS/ONU (1985) in SARTORELLI; FLORINDO; CARDOSO (2006).

      2) Pode-se utilizar a seguinte fórmula para as pessoas maiores de 60 anos:
      FAO/OMS/UNO (1985):

      Faixa Etária Homens Mulheres

      >60 13,5xP+487 10,5xP+569

      P = peso

      Att,
      Gabriela

  7. Olá, Acabei de finalizar o curso e gostaria de tirar algumas duvidas:

    1) A parte que tenho mais dificuldade na hora de colocar a teoria em pratica é quando pensar nas combinações alimentares. Visualizei o material complementar e vi que tem algumas ferramentas que podem me ajudar nisto. Porém senti falta de mais materiais contendo alguns arranjos alimentares (exemplos de cafés da manhã, colações, almoços etc.).

    2) Sempre fico com o pé atrás quanto a utilização de chocolates na dieta (mesmo os 70% cacau), primeiro por serem chocolates e o medo de acabar estimulando o consumo deste alimento, não sei até que ponto é bacana fazer isto. Segundo que, sempre que coloco um alimento eu penso primeiro no porque de colocar aquele alimento naquela determinada refeição, e quanto ao cacau eu não sei muito porque colocar. Gostaria de uma opinião de vocês acerca do tema.

    3) Vi que durante o curso (e até outros cursos) vocês estimulam a utilização de vários suplementos. Sempre fico com receio quanto ao custo total disto e também com a ideia de fazer meu paciente virar usuário pelo resto da vida destes produtos, pois alguns suplementos tem indicação quase que para todas as etapas da dieta como o caso do ômega-3 e do chá verde. Gostaria que vocês falassem um pouco sobre isso.

    Obrigado pela atenção.

    • Olá Fernanda,

      1) Segue algumas sugestões:
      Iogurte natural com morango + panquequinha low carb
      Bolinhos low carb com café ou chá
      Pão low carb + vitaminas

      Abaixo segue algumas receitas:

      Panqueca de banana
      Ingredientes:
      · 2 Claras;
      · 1 colher de sopa de Whey Protein;
      · ½ colher de café de Fermento químico;
      · 1 Banana picada em rodelas;
      · 1 colher de chá de Semente de chia;
      · 1 colher de chá de de Cacau 100% ou alfarroba em pó;
      · Canela à gosto.

      Modo de preparo: misture todos os ingredientes e leve à frigideira untada com o mínimo de óleo de coco. Deixe dourar dos dois lados e polvilhe canela em pó na hora de servir.
      Queijo cottage temperado com ervas e chia
      Ingredientes:
      · 2 colheres de sopa de Queijo cottage.
      · 1 colher de chá de Semente de chia;
      · ½ Limão espremido (opcional);
      · Ervas e especiarias a gosto;
      · 1 Tomate seco picadinho (opcional).

      Modo de preparo: misture tudo. Sirva em seguida ou acondicione em um pode bem fechado na geladeira por até 3 dias.

      Ovos mexidos
      Ingredientes:
      · 2 Ovos inteiros;
      · Salsinha e cebolinha a gosto;
      · Sal e pimenta a gosto;
      · 1 colher de sobremesa de Semente de chia1;
      · 1 colher de café de Manteiga ghee2 ou azeite de oliva.
      Modo de preparo: em uma tigela quebre os ovos e bata bem. Adicione os demais ingredientes e misture com os ovos. Aqueça uma frigideira antiaderente ou untada com azeite de oliva e coloque a mistura, mexendo até que os ovos fiquem cozidos. Servir quente.

      Observações:
      1 Pode ser semente de linhaça inteira ou a farinha;
      2 Ver receitas base.
      Requeijão de ricota e cenoura
      Ingredientes:
      · 90g de Ricota sem sal;
      · 1 colher de chá de Sal;
      · 1 envelope (12g) de Gelatina incolor sem sabor dissolvida em água morna;
      · 2 Cenouras cozidas;
      · 1 xícara de chá de Água mineral morna;
      · Temperos à gosto (opcional).

      Modo de preparo: corte a ricota em pedaços pequenos a ricota e bata no liquidificador com a água morna, o sal, os temperos e a cenoura até obter uma massa homogênea. Dissolva a gelatina incolor em 2 colheres de sopa de água morna e adicione à preparação, bata novamente. Despeje o requeijão em potes de vidro esterilizados e conserve em geladeira por até 5 dias (ver data de validade da ricota).

      2) Não há necessidade de colocar chocolate na dieta do pacinete se o mesmo não tem o hábito. Porém, para que possui esse hábito é difícil deixá-lo de uma hora para outra. A não ser que a pessoa queira. Nos casos em que o paciente não consegue a opção seria a indicação do chocolate 70%, ou mesmo começar com 54% e ir aumentando até chegar no 70%.

      Att,
      Gabriela

      • Gostaria de um comentário sobro o 3 também se possível.

        3) Vi que durante o curso (e até outros cursos) vocês estimulam a utilização de vários suplementos. Sempre fico com receio quanto ao custo total disto e também com a ideia de fazer meu paciente virar usuário pelo resto da vida destes produtos, pois alguns suplementos tem indicação quase que para todas as etapas da dieta como o caso do ômega-3 e do chá verde. Gostaria que vocês falassem um pouco sobre isso.

        • Olá Fernada,

          Realmente são vários ativos e estratégias que podem ser usadas com o paciente. Mas, nos cursos as informações são apresentadas de forma geral. Entretanto, você saberá o que fazer com seu paciente. Na prática, depois de fazer a avaliação clínica e bioquímica, além da avaliação nutricional você conseguirá montar seu tratamento baseado na necessidade de cada paciente.
          O tratamento com suplementos e fitoterápicos sempre terá tempo para começar e acabar. Os tratamentos podem ter duração, muitas vezes, de até 2 anos. Mas, não será para o resto da vida.
          Apesar de que a indicação do ômega-3 ser de uso contínuo pela baixa ingestão alimentar desse nutriente. Porém, a avaliação sempre será individual.

          Veja algumas informações:
          Papel da relação Ômega-6/Ômega-3 sobre a patogênese das doenças cardiovasculares, inflamatórias e autoimunes tem sido objeto de bastante controvérsia nos últimos anos:
          Com a revolução agrícola, houve ↑ do consumo de cereais, óleos e grãos ricos em ácidos graxos w-6 e uma ↓ da ingestão de ácidos graxos w-3.
          A relação w-6/w-3, era ~ 1:1 a 2:1 e hoje é de 15:1 a 40:1 (dietaocidental).
          Em teoria, ↑ ingestão de w-6 pode ↑ mediadores inflamatórios: processos patológicos, aterosclerose e fatores de risco como hipertensão arterial, diabetes e obesidade.

          Gómez Candela C, et al. Importance of a balanced omega 6/omega 3 ratio for the
          maintenance of health: nutritional recommendations. Nutr Hosp. 2011;26(2):323-9.

          Em estudos pré-clínicos, ↓ n-6/n-3 previne o ganho de peso e obesidade.
          ↑ níveis de n-6 – hiperestimulam o sistema endocanabinoide
          ↑ níveis de n-6 – ↑ resistência à insulina e resistência à leptina

          Simopoulos AP. Nutrients, 2016.

          O chá verde é o fitoterápico bem estudado e que mais tem estudos que comprovam sua utilização no emagrecimento, principalmente na diminuição da gordura abdominal.
          Nos estudos relacionando chá verde com gordura abdominal a dose utilizada foi de 600 a 700 mg ao dia, sem determinação de um horário específico. Porém, para não prejudicar a qualidade do sono, sugere-se que seja consumido no período da manhã e no início da tarde.
          Uma típica bebida de chá verde, preparada em uma proporção de 1 grama de folhas para 100mL de água por 3 minutos de infusão, geralmente, contem cerca de 35-45 mg/100mL de catequinas e 6 mg/100mL de cafeína (LAMARÃO; FIALHO, 2009).

          A utilização de suplementos e complementação nutricional muitas vezes é necessária se levarmos em consideração que a alimentação da maioria das pessoas está deficiente de muitos micronutrientes, e até de macro. Temos uma população com alto consumo de carboidratos simples. Além dessa alimentação, em sua maioria ser de produtos industrializados que não possuem benefício algum para a saúde.
          Sabemos que hoje a maior parte da população está com excesso de peso.
          Você concorda que, muitas vezes, ao trabalhar com um paciente que tem dificuldades de perder peso, esse ganho de peso não acontece de uma hora para outra?
          Sabemos que o metabolismo do paciente não está “trabalhando” de forma adequada. A utilização de muitos desses suplementos e/ou fitoterápicos pode auxiliar na perda de peso e na “recuperação deste metabolismo”. Dependendo do que você utilizar o custo é bem elevado.
          Mas, a sugestão é trabalhar com as estratégias que você tem. Você pode, por exemplo, solicitar para a farmácia de sua confiança um suplemento que tenha a ação similar e que seja mais em conta. Pode trabalhar com um de cada vez, dependendo da resposta do paciente.
          Ou então, pode-se trabalhar com chás que são mais em conta, também. Muitas vezes uma suplementação de polivitamínico já auxilia. Penso que é um tratamento que leva tempo, pois assim como o ganho de peso não ocorre de uma hora para outra a perda de peso também não. Já é sabido que as células adiposas são inflamadas. É necessário trabalhar nessa inflamação. Alimentos como frutas, verduras, legumes são essenciais nesses casos, porém sabemos que nem todos aderem 100% a dieta.
          Outro ponto que podemos falar é que não há necessidade de trabalhar com todos os ativos falados.
          Segue um esquema para ajudar:

          Você pode utilizar os suplementos de acordo com as características que o paciente apresenta:

          Baixo metabolismo – termogênicos
          Alto consumo alimentar – sacietógenos
          Alto consumo alimentar por ansiedade – ansiolíticos
          Para otimizar o resultado – inibidores da absorção

          Qualquer dúvida entre em contato novamente.

          Abraços,
          Gabriela

  8. Qual é a diferença entre as estrategias low carb e hay fat?

    • Olá Denize,
      Dentre as diferentes classes de nutrientes, a quantidade de carboidratos é um dos pontos principais a ser considerado em uma estratégia dietética de baixo carboidrato (Low Carb-LC). Quando se diminui o teor de carboidratos, há um aumento compensatório de proteínas e/ou gorduras. Nas dietas cetogênicas clássicas, utilizadas para o tratamento da epilepsia, por exemplo, o teor lipídico pode chegar a níveis superiores (de 60 a 90%). Mas em dietas Low Carb ou dietas de muito baixo carboidrato (VLCD, do inglês Very Low Carb Diet), o percentual lipídico varia entre 30 e 60% em média. Dessa forma, normalmente dietas LC acabam sendo compensatoriamente elevadas em gordura (HF, do inglês High Fat).

      Considera-se como uma dieta muito baixa em carboidratos do tipo cetogênica (VLCKD, do inglêsVery Low Carb Ketogenic diet), aquela que
      contém concentrações muito baixas de carboidratos (<20-50 g/d).

      O impacto negativo das dietas HF depende de fatores como a quantidade e qualidade das gorduras consumidas, e o contexto calórico e a quantidade e qualidade dos carboidratos ingeridos na dieta. Dietas HF são utilizadas constantemente em estudos para indução de obesidade, resistência à insulina e inflamação. Entretanto, essas dietas possuem um percentual médio de 60% do valor energético total em gorduras, mas em um contexto hipercalórico (5,1 kcal/g), com alto teor de gordura saturada, gorduras transe açúcar (dieta para indução da obesidade TD.06414 stocked– Envigo Laboratorie®).

      Por outro lado, as dietas HF aplicadas para o emagrecimento e redução do risco metabólico em estudos intervencionais possuem mais de 30% de lipídios em um contexto de baixo carboidrato (≤ 45%).

      Essas informações, bem como outras relacionadas à estratégia Low Crb você encontro no livro escrito pela Dr. Ana Paula Pujol. Confira:

      https://www2.institutoanapaulapujol.com.br/produto/livro-estrategia-low-carb/

      Att,
      Gabriela

Deixe uma resposta