Você não pode visualizar esta videoaula porque ainda não está logado.

8 comentários em “CO1018 – Micronutrientes, qualidade de sono e jejum intermitente

  1. Olá!!! Quanto a suplementação de L triptofano ou Grifonnia simplicifolia, ainda deve se adicionar o ácido fólico?

    E o mulungu, como infusão,pode tomar por quanto tempo de forma segura?

    • Olá Juliana,

      Como estimulante de serotonina a sugestão é a suplementação de Griffonia com piridoxina. Segue exemplo:

      Estimulante da serotonina
      Componentes da fórmula:
      Griffonia simplicifolia extrato seco padronizado a no mínimo 90% de 5htp – 100 mg
      Piridoxina – 10 mg

      Aviar x doses em cápsulas transparentes, sem lactose e sem corantes
      qsp. ___ doses.

      Posologia:
      Consumir 1 dose de 2 vezes ao dia, às 10h e às 16h.
      Tomar por 30 dias.

      De forma geral é sugerido o consumo do chá de Mulungu por até 3 meses.

      Att,
      Gabriela

  2. Quais seriam as doses indicadas de triptofano, L-theanina, grifonia simplicifolia, lactum para melhorar a qualidade do sono? E como tomar cada uma delas, e por quanto tempo?

    • Olá Julli,

      Griffonia simplicifolia ( Extrato padronizado à 95% 5HTP)
      Tomar 1 ou 2 cápsulas de 50mg, três vezes ao dia, 20-30 minutos antes das refeições. Dose usual: 50 – 200mg/dia.

      L-teanina
      Recomendação de uso
      Para o relaxamento, modulação do humor, ansiedade: 200mg de L-teanina 2-3 vezes ao dia.
      Doses posológicas na faixa de 50 a 200mg têm-se demonstrado efetivas.

      LactiumTM
      Lactium -150 mg
      Excipiente qsp -1 dose
      Posologia: tomar 1 dose 40 minutos antes de dormir.

      No geral suplementa-se por 30 a 90 dias e após avalia-se a necessidade de mais tempo de suplementação.

      Att,
      Gabriela

  3. olá , para pacientes com hipoteroidsmo tratado com medicação convencional e jejum intermitente é recomendado?

    • Olá,

      Alguns estudos mostraram que Jejum em dias alternados não afetou a função tireoidiana. Entretanto, houve redução da taxa metabólica significativa em jejuns longos de mais de três dias. Desta forma, não recomenda-se fazer longos períodos de jejum em pessoas com alterações tireoidianas.

      Veja mais informações abaixo:

      Possíveis benefícios do Jejum:
      Cérebro:
      · Aumento da plasticidade
      · Aumento dos fatores de crescimento neurotrópicos – BDNF, FGF2, HSP-70,
      GRP-78, HO-1
      · Diminuição de substâncias inflamatórias – TNFα, IL-1β, IL-6
      · Aumento da neurogênese
      · Aumento da resistência cerebral ao estresse
      · Biogênese mitocondrial
      · Redução do estresse oxidativo
      · Redução do processo inflamatório

      Tecido:
      · Redução da absorção de energia
      · Redução de processo inflamatório
      · Redução da proliferação celular

      Fígado:
      · Aumento da sensibilidade à insulina
      · Glicogenólise
      · Decréscimo dos níveis de IGF-1

      Sistema cardíaco:
      · Aumento do tônus parassimpático
      · Redução da frequência cardíaca em repouso
      · Redução da pressão arterial sistólica
      · Aumento da resistência ao estresse
      · Redução do estresse oxidativo

      Músculo:
      · Aumento da sensibilidade à insulina
      · Estímulo para o anabolismo muscular
      · Redução do estresse oxidativo
      · Redução da temperatura corporal

      Tecido adiposo:
      · Estímulos de lipólise e cetogênese
      · Redução da leptina
      · Aumento da adiponectina
      · Redução da inflamação

      Sangue:
      · Decréscimo da insulina, IGF-1 e leptina
      · Aumento dos corpos cetônicos – Adiponectina e grelina

      Quando realizar um Jejum Intermitente?

      • Sempre avaliar a resposta individual do paciente;
      • Não é a primeira opção de tratamento;
      • Pacientes que não sentem fome no café da manhã (aplicação do jejum de 16 horas);
      • PESO: vantagens em relação à Restrição contínua;
      • Alternativas convencionais não funcionam (resposta metabólica ou por baixa adesão);
      • Efeito platô;
      • Sinais de mitocondriopatias (Fibromialgia, fadiga crônica e insônia);
      • Artrite reumatoide, déficit cognitivo, resistência à insulina, diabetes II;
      • Quando o paciente sente necessidade de carboidrato a cada 3 horas;
      • Colesterol HDL reduzido;
      • Longevidade e saúde.

      Por quanto tempo?
      Estudos – 4 semanas a 12 meses.

      DEPENDE DO OBJETIVO:
      • Emagrecimento – até atingir o peso e depois reduzir a frequência do jejum.
      • Benefícios do jejum em pessoas magras – 2 a 3 vezes por semana por ex.

      Triagem para Jejum Intermitente

      • Tendência para hipoglicemia?
      • Acostumado a consumir carboidratos a cada 3 horas?
      • Doenças pré-existentes (diabetes tipo 1);
      • Diabetes tipo 2 como medicação;
      • Atividade laboral (cuida de crianças? Opera máquinas?);
      • Alterações tireoidianas?
      • Tendência para distúrbios alimentares (atitudes purgativas, histórico de dietas restritas, insatisfação corporal extrema, distúrbios de imagem corporal);
      • Baixo peso? Objetiva hipertrofia muscular?

      Contraindicações

      Tendência para distúrbios alimentares – Pode funcionar como gatilhos para muitas pessoas que estão desenvolvendo verdadeira fobia ao alimento em busca do corpo perfeito.

      Crianças – piora da capacidade física para prática de atividade física;

      • Adolescentes – poucos estudos;

      • Gestantes – Impactos profundos sobre o desenvolvimento fetal e placentário – O crescimento fetal pode ser causado por comprometimento no transporte placentário de aminoácidos;

      • Atletas – Sem benefícios adicionais;

      • Hipertrofia muscular;

      • Pacientes com diabetes insulino dependentes;

      • Tendência para hipoglicemia;

      • Bariátricos;

      • Pacientes com distúrbios gástricos;

      • Idosos acima de 70 anos;

      • Baixo peso;

      • Medicamentos hipotensores;

      • Tendência para efeito sanfona.

      Att,
      Gabriela

  4. Em se tratando da melhora da qualidade do sono, quando o paciente tem uma rotina que exige que ele fique acordado (estuda durante o dia e trabalha de madrugada), você teria alguma sugestão de formulação ou conduta? Como ajudo esse paciente que precisa dormir bem, mas também precisa se manter acordado por mais tempo que o ideal?

    • Olá Talita,

      É uma situação complexa, pois sabemos que muda completamente o metabolismo quando trocamos o dia pela noite. Que horário o paciente dorme, quantas horas dorme?

      Temos um ritmo circadiano que respeita uma ordem cronológica.

      Ritmo circadiano: ciclo de 24h em que ocorrem as funções do corpo.
      Dois hormônios regulam o ritmo circadiano: o cortisol e a melatonina
      „Melatonina: bom indicador de adaptação do Melatonina: bom indicador de adaptação do ritmo circadian.

      Os trabalhadores noturnos que dormem durante o dia, para recuperar o sono da noite anterior, sofrem presenças de diversos estímulos, como a claridade e o barulho, impedindo um sono de qualidade. Neurologistas afirmam que, aquele que não dorme no horário compreendido para o descanso, terá seu sistema nervoso comprometido, a memoria sofrerá transtorno e a resistência física não será a mesma.

      O corpo possui um hormônio de crescimento no organismo, que é ativado após o inicio da fase chamada de sono delta. Cuja, produção se dá quando a pessoa encontrar-se dormindo. Tem como finalidade garantir no crescimento, estimulando fonte de energia física, além de prevenir doenças, como, por exemplo, osteoporose e a flacidez muscular. Nesta mesma fase, ocorre à liberação do hormônio cortisol. É a fase que proporciona um sono profundo, conhecida como REM. É considerada mais importante do sono, sendo responsável por aproximadamente 20% das horas dormidas.
      Durante o período do sono, ainda na fase REM, os sistemas e funções fisiológicas sofrem alterações acompanhando os ciclos ultradianos. A cada momento da fase REM, o organismo reage de forma de diferente. Os olhos se movimentam de forma acelerada, o relaxamento muscular atinge ao seu máximo, a temperatura e as frequências cardíaca e respiratória voltam a aumentar, e a pressão arterial sobe.
      Nesta fase, ao sonhar, o cérebro fixa todas as informações importantes tidas durante o dia, e descarta as menos importantes. A fase do REM está intimamente ligada ao bom humor, criatividade, atenção, memória e equilíbrio.
      A função mais importante comandada pelo cicl circadiano é o sono. É preciso chegar ao sono REM (profundo) para a recuperação do organismo. Após uma noite de trabalho noturno já há interferência no estágio REM.

      Há algumas dicas feitas por especialistas para auxiliar os trabalhadores noturnos:

      Recomendações:

      Durmir sempre nos mesmos horários, mesmo nos dias de folga, para não afetar ainda mais o relógio biológico;
      Mesmo durante o dia, durmir sem interrupções uma quantidade de horas mínima para o seu bem-estar — de seis a oito horas;
      Deixar o quarto escuro ajuda a dormir melhor. Feche janelas e cortinas, mas mantenha o ambiente arejado, porque o calor também atrapalha o
      sono;
      Use protetores de ouvidos, por conta do barulho feito durante o dia;
      Para que os trabalhadores noturnos não sintam sono à noite, é só tirar um cochilo algumas horas antes de ir trabalhar;
      Se puder, cochile no meio da madrugada, mesmo que por poucos minutos;
      Avisar a família que ela precisa colaborar para a manutenção de um ambiente tranquilo para você dormir bem durante o dia;
      Apesar de ser difícil, quem fica acordado à noite não deve se descuidar da alimentação, para não atrapalhar ainda mais o sono durante o dia. É
      importante consumir vegetais ricos em fibras, muitas frutas e gorduras de boa qualidade. Também é preciso fazer as três principais refeições (café da nmanhã, almoço e jantar) em horários adaptados. Antes de dormir, deve-se ingerir uma refeição leve;
      Evite tomar refrigerantes com cafeína, café, chá preto ou mate, tanto durante o trabalho noturno quanto antes de dormir;
      Praticar exercícios físicos regulares, evitar o fumo e o álcool e manter o peso também são medidas importantes (OLIVEIRA, 2012).

      Turno noturno – 24h/8h. Ruim em todos os aspectos.

      O ritmo circadiano tem fases:

      Geralmente após um ano de “troca de turno” há uma adaptação metabólica onde o efeito termogênico não é reduzido no período noturno. Para emagrecimento, o ideal é sempre manter a dieta de baixo a moderado índice e carga glicêmica, mas os efeitos de uma maior carga glicêmica no período noturno, neste caso são reduzidos pela adaptação metabólica.

      Há algumas empresas que fazem rotação e ocorrem em curtos espaços de tempo.
      Exemplos:
      Rotação lenta – semanal
      Rotação rápida – 2 ou 3 dias

      O que acontece no trabalho noturno é que a pessoa tem problemas com a qualidade e quantidade do sono. Após várias noites há cúmulo no déficit de sono e falta de atenção.

      Há trabalho que mostram o aumento de uso de cafeína, fumo e alcool e aumento dos níveis de estresse.

      Cafeína
      Aumenta vigilância, reduz inibição, aumenta a temperatura, alivia fadiga e diminui o apetite.

      Abaixo segue sugestão de palestra para você assistir:
      https://www2.institutoanapaulapujol.com.br/produto/palestra-online-crononutricao/

      Att,
      Gabriela

Deixe uma resposta